Na viagem para Europa esse ano, das três cidades em que ficamos, em duas nossa hospedagem foi em hostel. E com essas duas hospedagens eu tive duas experiências bem diferentes, podemos dizer que uma boa e outra ruim. Nesse post vou contar os pontos positivos e negativos de cada um, para que você vá preparado quando optar pelo hostel.

Já estão no ar os posts com TODOS os nossos gastos na Europa. Tem também LondresParis, Bruxelas e Barcelona em posts separados. 🙂

O que esperar?

Em um hostel você paga por cama e não por quarto como em um hotel. Você pode escolher com quantas pessoas divide o quarto e se quer um quarto feminino/masculino ou misto. O banheiro normalmente é compartilhado, só separado entre feminino e masculino.

A vantagem desse tipo de hospedagem é pagar (bem mais) barato do que um hotel e a possibilidade de conhecer jovens do mundo todo, pois muita gente viaja sozinha e a maioria dos hostels tem áreas de convivência, pub crawls, jantares em conjunto etc, e também pessoas abertas à novas amizades. Eu já fiz muitos amigos legais nessa de ficar em hostels. Já tive todo o tipo de experiências, principalmente nos Estados Unidos, mas nesse post vou contar sobre os dois lugares que passei na Europa, mostrando como foi essa categoria de hospedagem por lá.

P.S: Não esqueça de conferir o que o hostel oferece e o que você tem que levar (ou pagar extra), como por exemplo lençol, toalha, cadeado. Nesses da Europa, tínhamos que levar a toalha (e cadeado no de Londres).

Outro ponto é que o Hostel é uma boa opção quando você está viajando sozinho ou com só mais uma pessoa, mais do que duas pessoas já vale considerar um quarto de hotel, que na ponta do lápis o custo pode ser bem parecido.

Hostel em Londres:

Vou começar pela experiência que não foi tão legal, em Londres. Lá ficamos no Smart Hyde Park View. Na minha opinião, nesse hostel faltou a proposta de integração, juntar as pessoas e incentivar a interação entre os hóspedes.

Pegamos um quarto misto para 9 pessoas. Eu já havia ficado em quarto misto em vários hostels antes e isso nunca foi problema. Normalmente os quartos mistos são ainda mais baratos.
O problema era que o quarto era muito pequeno. Era impossível abrir a mala/mochila enquanto tivesse outra pessoa em pé, pois ocupava quase todo o quarto.

Sempre tinha gente no quarto e eu fiquei com vergonha de tirar mais fotos, mas dá pra ter uma ideia.
Sempre tinha gente no quarto e eu fiquei com vergonha de tirar mais fotos, mas dá pra ter uma ideia.

O segundo problema é que as camas iam até o chão, pois eram triliches. Eu fiquei em uma cama no chão e achei muito desconfortável, ainda mais porque no chão era carpete. A vantagem é que as camas tinham tomada dentro e uma cortina, exceto as camas do alto.

Dica bônus: leve seu adaptador de tomada daqui do Brasil, as tomadas da Inglaterra são estranhas e não encaixa com nenhum tipo que temos aqui: Compramos um adaptador no aeroporto de Florianópolis e custou R$ 35. Era daqueles universais, então serviu em Paris e Barcelona também.

As tomadas lá eram assim
As tomadas lá eram assim
E esse foi o adaptador que compramos no aeroporto.
E esse foi o adaptador que compramos no aeroporto.

O sistema para reserva de camas não era muito inteligente. Eles te davam um papel e você deveria colocar no plástico que tem pendurado na cama. Mas a minha, por exemplo, não tinha plástico nenhum. (Um dia até deu treta entre uma americana e um irlandês, pois ela reservou a cama e não arrumou, saiu e quando voltou ele tinha pego a cama e arrumado, pois o plástico dela se confundia com outra cama e ele achou que estava desocupada. Os dois queriam a cama e ele fez ela arrumar a cama dele também. Não foi uma situação legal.)

Agora imagina nove pessoas em um quarto pequeno e sem ventilação nenhuma (ou não estava funcionando). Eu fiquei na cama do chão e não senti tanto, mas o pessoal das camas de cima sofreu muito! Dormíamos com a janela aberta (tem um bar embaixo, então vinha barulho da rua), e ainda assim não aliviava muito.

Sobre o banheiro: Era um por quarto, bem pequeno. A cortina era daquelas de plástico, mas quando você ligava a luz, ligava junto a ventilação, que fazia o plástico ficar voando no pequeno espaço do box. Mas o pior era que a cortina não segurava a água, então o banheiro ficava todo alagado. Aí chegava alguém da rua e entrava o banheiro de calçado e estava feita a meleca. Eu sempre torcia para ser a primeira a tomar banho. A parede do banheiro também era bem fina, então dava para escutar a pessoa fazendo xixi (e todo o resto).

Esse hostel funciona também como hotel, e sobre isso não posso opinar. Tem um elevador e tem um aviso que hóspedes do hostel só podem usar em check in e check out, pois é para os clientes do Hotel.

O Hostel oferecia café da manhã, mas não era bom. Tinha somente pão de forma, que você podia colocar em uma torradeira e ofereciam manteiga e Nutella. Tinha uma opção de cereal e uns sucos (tipo Kisuco). O café era só o pó do Nescafé.
Ficava no subsolo do prédio e era muito pequeno e abafado para o número de pessoas, não tinha janelas. Era ali que ficava a área de convivência, com TV, livros e revistas também. Se você chegasse depois das 9h, ficava muito cheio e não tinha onde sentar. Talvez no restante do dia, com menos pessoas, fosse mais confortável, mas eu não fui em nenhum outro horário.

A Wifi também era boa, pegava mesmo no quarto, que fui avisada que o sinal era fraco. Os quartos tinham lockers, mas você tem que levar o cadeado. (Normalmente os lockers de hostel não cabem as malas grandes, mas são bons para você guardar bolsas, objetos de valor e documentos.)

O quarto também era limpo todos os dias, o problema era que o banheiro só durava seco até a primeira pessoa tomar banho.

O rapaz que nos atendeu no check in era simpático e atencioso, mas depois do check in não vimos mais ele. Tivemos que deixar um caução de 10 libras, que devolveram em dinheiro na hora do check out. Para o check out, você só precisa devolver o lençol e o cartão do quarto. Toalhas casa hóspede leva a sua, ou pega do hostel por uma taxa, que se não me engano era de 5 libras por estadia.

A frente do Hostel e um caminhão atrapalhando. Por fora é super bonitinho.
A frente do Hostel e um caminhão atrapalhando. Por fora é bem bonitinho.

A localização era ótima, quase na esquina do Hyde Park, 3 quadras da estação de metrô Queensway.

Vantagens: Era MUITO barato, sendo que em Londres tudo é muito caro. Foi cerca de 25 libras por noite (as 6 noites saíram 150 libras, que pagamos na hora). Olhei agora e o mesmo quarto que eu fiquei, com a cotação de hoje, sai por R$ 430 para seis noites. Eu havia considerado o outro hostel da rede, o Smart Hyde Park Inn, que é um pouco mais barato, mas eu tinha lido nas reviews que ele é ruim. Escolhi o hostel bom! 

A rua do Hostel.
A rua do Hostel.

Mas em resumo, minha viagem para Londres foi ótima e se minha única chance de viajar para lá pagando pouco fosse essa, eu assumiria o risco e iria de novo sim, haha. Como eu disse, esse post é para te alertar ao que esperar, não desanimar nem nada.

Aqui nesse post tem as informações práticas sobre Londres e nesse link o roteiro dos nossos 5 dias por lá!

Hostel em Barcelona

A experiência do hostel em Londres me deixou meio desanimada com a perspectiva de ainda passar mais 4 noites no Hostel em Barcelona. Mas foi totalmente diferente. Ficamos no Hola Hostal Eixample, que é bem parecido com o que mostra nas fotos (deu até saudade).

Já na recepção, dá pra ver que a área comum é bem grande. Chegamos à noite, super cansadas, mas fomos de metrô do aeroporto para o Hostel, como contei nesse post. Fomos bem atendidas e o pessoal da recepção arriscou até um português.

Nesse hostel eles nos dão um cartão que serve para abrir a porta principal, a porta do quarto e o seu armário. Cada cama tem uma luz individual e uma tomada. Eles desligam as luzes dos quartos às 23h, então essa luzinha ajuda muito. Reacendem somente às 8h da manhã, e isso faz muita diferença, você não acorda cada vez que alguém entra no quarto.

Nosso quarto era feminino, para 16 pessoas! Mas não dava essa impressão, pois as camas eram arrumadas de um jeito que você não vê todas de onde está, e o quarto também era bem espaçoso. Aqui dava para abrir as malas e as pessoas também respeitavam bem os horários.

Na foto não aparece tanto, mas esse quarto era grande, não tivemos problemas de espaço como no outro.
Na foto não aparece tanto, mas esse quarto era grande, não tivemos problemas de espaço como no outro.

O café da manhã era bom, tinha pão, frios, nutella, bolachas, sucos e café daqueles de máquina. A área comum também era bem grande e sempre tinha lugar para sentar. Ao longo do dia sempre tinha bastante gente por ali. O pessoal da recepção era muito simpático e solícito, uma tarde que passamos no hostel nos deram muitas dicas de como aproveitar melhor a cidade.

Aqui era a área comum e sempre tinha bastante gente. Lá atrás é a cozinha e aqui é o café da manhã.
Aqui era a área comum e sempre tinha bastante gente. Lá atrás é a cozinha e aqui é o café da manhã.

O banheiro era grande e nunca precisei esperar para tomar banho, independente do horário. O único problema era que o chuveiro era daqueles com temporizador, então a cada minuto você tem que apertar de novo e às vezes voltava frio. Se a ideia era economizar água, funcionou, tomava meu banho super rápido por causa disso.

Eles ofereciam um jantar todas as noites e cobravam um valor simbólico de 3 à 4 euros. Nunca cheguei a tempo, mas vi nos avisos que teve cachorro quente, paella e macarronada enquanto estávamos lá. E também faziam promoções de cervejas.

Outra coisa legal, é que lá eles também tem o pub crawl, que é quando reúnem o pessoal do hostel que quer ir para barzinho/balada. Nos cobraram 13 euros e fomos até o Ice Bar de metrô com uma guria que tava organizando. Lá nos juntamos com a galera de outros hostels, sentamos todos na mesma mesa e foi bem legal. Uma torre de babel, conversei com indianos, ingleses, belgas e brasileiros, haha. Depois fomos todos para a Opium, baladinha que tem na Barceloneta, mas para voltar é cada um por si. O táxi é barato e foi menos de 8 euros para voltarmos ao Hostel.

A localização os Hostel também era boa, perto do metrô de Tetuan e Girona, algumas quadras do Arco do Triunfo e Parc de la Ciutadela e algumas quadras para o outro lado da Basílica da Sagrada Família.

Os quartos e banheiros também eram bem limpos (lembre-se que em hostel ninguém mexe na sua cama, só você arruma). A Wifi tinha um sinal bom, mesmo no quarto e tinham computadores à disposição dos hóspedes. Também tinham máquinas de lavar roupas de graça, mas já tínhamos lavado as roupas em Paris.

Nessa parede atrás dos relógios ficam os banheiros.
Nessa parede atrás dos relógios ficam os banheiros.

O preço, que é a maior vantagem de ficar em hostel, foi bom. 106 euros para 5 noites (cerca de R$ 380 para cada uma). Simulei uma reserva agora e para outubro, o mesmo quarto está R$245 para 5 diárias. 

Depois dessa viagem repensei se ainda tenho idade para essa vida de Hostel, porque antigamente não me incomodava tanto com algumas coisas como hoje em dia, haha. Mas ao mesmo tempo, o preço compensa muito e se esse é o preço para ir viajando o mundo, aceito!

Não deixem de viajar por causa disso, no fim dá tudo certo e vale muito a pena! 

O Viajapinha é parceiro do Booking, por isso, ao fazer a reserva da sua hospedagem por um de nossos links, você me ajuda a manter o blog, pois ganhamos uma pequena comissão, e você não paga a mais por isso:

booking

Você também pode gostar de

5 thoughts on “Como é o Hostel na Europa? Vantagens e desvantagens da nossa hospedagem em Londres e Barcelona

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *