piramides

Pirâmides de Teotihuacan – Como fazer esse bate-volta da Cidade do México

Conhecer a Cidade dos Deuses do México foi o passeio mais esperado dessa viagem. Em menos de uma hora do centro da Cidade do México fomos para as Pirâmides de Teotihuacan, que foi a maior cidade da América pré-colombiana e uma das das maiores civilizações do mundo na época. Nesse post vou contar um pouquinho mais da história que aprendi sobre o local, como chegar lá e dicas para esse passeio.

[Confira nesse link o primeiro post sobre nossa viagem à Cidade do México.]

Como chegar nas Pirâmides de Teotihuacan

Há várias opções para chegar nas Pirâmides. Consideramos um tour (que desconsideramos principalmente porque ia primeiro para a Basílica de Guadalupe e queríamos a Basílica depois – e também pelo preço – cerca de U$35/pessoa), e um Uber (estávamos em 4 pessoas, então acabava não ficando tão caro por pessoa, cerca de 500 pesos no total – R$ 75. O que pensei que seria um problema foi a internet para chamar na volta). Então acabamos ficando com a opção mais barata: de ônibus mesmo, que já tinha lido em outros blogs que era simples. E era mesmo:

Primeiro tínhamos que chegar na estação de metrô do Terminal Norte. Pra isso, colocamos no Citty Mapper, (que sempre comento que é o app que usamos para chegar nos lugares), onde estávamos e onde queríamos chegar e foram algumas baldeações pra chegar lá. Mas o metrô lá é super eficiente e barato, só 5 pesos (menos de R$1). As estações estavam bem sinalizadas, e pelas placas + CittyMapper, chegamos em menos de 1 hora sem problemas.

Chegando à estação do Terminal Norte, é só sair, atravessar a rua e você estará no Terminal Central de Autobuses del Norte. Entrando você já verá vários guichês de venda de passagens. Vá à esquerda e lá no finalzinho estará o guichê escrito Teotihuacan. Pedimos passagens para as Pirâmides (havia lido para não pedir por Teotihuacan, porque esse é também o nome da cidade e pode confundir). Custou 100 pesos as passagens de ida e volta (no total) e já compramos tudo. Esse ônibus parte a cada meia hora, a mulher do guichê indicou onde era o portão e não tinha erro, era uma fila só com pessoas com cara de turistas, haha. Compramos poltronas marcadas, mas o ônibus fez algumas paradas no caminho e algumas pessoas iam em pé. Levou cerca de 40 minutos até o local. O ônibus para no Portão 1.

É esse guichê menor, escrito Autobuses Teotihuacan.
É esse guichê menor, escrito Autobuses Teotihuacan.

Nas Pirâmides

Chegando lá, descemos no Portão 1, compramos os ingressos que custaram 70 pesos cada (menos de R$11). O portão 1 entra de frente para a Cidadela e o templo de Quetzalcóatl. Vimos toda essa parte e já começamos o sobe e desce de todo o passeio. Depois dali, andamos por toda a Calçada dos Mortos, por seus 4km e no final dela subimos as Pirâmides do Sol e da Lua. Gostei da maneira que fizemos, porque assim conhecemos por toda a cidade. Quem não tiver disposição para caminhar e só quiser ver as duas pirâmides, pode descer do ônibus e pegar um dos táxis que ficam na frente até o portão 3, que é o portão que fica bem em frente à Pirâmide da Lua. Mas o legal mesmo é caminhar por todo o local.

A história

Toda a história sobre o local ainda tem muita divergência e muito ainda vem sendo estudado e muita coisa eu achei bem confusa. O que se sabe, é que o local foi construído e habitado entre os anos 100 a.C. e 700 d.C. Em seu auge, chegou a ter 125 mil habitantes. Na cidade, tinham muitos templos, palácios e praças. Sabe-se também que eram uma sociedade bem evoluída, levando em conta a orientação das construções, a canalização do rio, dos centros administrativos, etc. Ainda não se sabe bem ao certo o porquê e como desapareceram. Anos depois, quando os astecas chegaram, consideraram o lugar sagrado e usavam para peregrinações religiosas, mas não chegaram a habitar o local.

piramide do sol

Com algumas evidências encontradas recentemente, acredita-se que lá também eram praticados rituais de sacrifícios humanos e de animais. Algumas referências dizem que esses sacrifícios aconteciam como comemoração quando as pirâmides eram ampliadas, e as vítimas eram prisioneiros.

Pirâmide do Sol

É a terceira maior pirâmide do mundo, com 66m de altura. Nessa pirâmide é possível subir até o topo, são mais de 200 degraus super altos. Mas a vista lá de cima é incrível e vale o esforço. É incrível imaginar que muitos séculos atrás, essa construção foi feita com muitas toneladas de pedra e sem o uso de meio de transporte ou equipamentos com roda e nem animais.

Pirâmide do Sol
Pirâmide do Sol

Pirâmide da Lua

Um pouco mais para frente, no final da Calçada dos Mortos, fica a Pirâmide da Lua. Nessa não é possível subir até o topo, somente até a metade. Tem cerca de 45m de altura e em frente fica a Praça da Lua, com um altar central e outras construções que juntas foram uma cruz, sendo chamadas de cruz teotihuacana.

Pirâmide da Lua
Pirâmide da Lua

Calçada dos Mortos

É a avenida principal da cidade. Tem 4km de comprimento, começando na Pirâmide da Lua e terminando na Cidadela. Ao longo dela, tem algumas construções, que acredita-se que eram templos e moradias de pessoas importantes.

Calçada dos Mortos
Calçada dos Mortos

Outras construções

Além desses pontos principais, tem muitos outros lugares na cidade para visitar. Tem a Cidadela, um espaço aberto, onde aconteciam as cerimônias, o Templo de Quetzalcóatl, que fica atrás da Cidadela e não dá para subir, tem uma grade na frente, mas dá para ver as esculturas de serpentes. Lá também foram encontrados vestígios de corpos de guerreiros sacrificados como oferendas. No Museu de Antropologia tem uma réplica de como era essa pirâmide, toda colorida.

Também fomos no Palácio del Quetzalpapalotl, que fica na saída das pirâmides. Nesse espaço, claramente a maior parte já foi restaurada, tem até cores. No caminho também tem indicações de um Museu, mas não chegamos a ir, parecia ser um pouco mais longe.

Para dar uma ideia melhor da grandiosidade da cidade, fiz alguns vídeos por lá e juntei em um só (favor não ligar para a minha falta de habilidade, kkk e também por ter gravado com a câmera em pé):

O passeio todo durou cerca de 4 horas. Para ir embora, saímos pelo portão 3 e perguntamos ao segurança onde pegava o ônibus, ele disse que era só atravessar a rua. Não tem nenhuma indicação do lugar onde o ônibus pára, mas esperamos exatamente na frente do portão 3 e cerca de 10 minutos depois um ônibus passou.

A volta foi um pouco mais longa, pois o ônibus passa dentro da cidade de San Juan de Teotihuacan. Lá, teve uma hora que entraram dois policiais, um deles com uma câmera filmando todos os rostos. Depois disso, seguimos a viagem tranquilamente e em pouco mais de uma hora chegamos no Terminal Norte novamente. De lá fomos visitar a Basílica de Guadalupe. (Post no link)

Um dos motivos de optarmos em ir por conta própria ao invés do tour, foi que o tour passa primeiro na Basílica e depois vão para as pirâmides, por isso todos os lugares que li, recomendavam ir cedo para as pirâmides e chegar antes da multidão. Não sei como fica na parte da tarde, mas chegamos pelas 9h da manhã e foi muito tranquilo em questão de lotação. O lugar é muito grande e as pessoas ficam bem dispersas.

Dicas para a visita:

  • Ainda que tenham muitos ambulantes na cidade, não vi nenhum vendendo comida. Por isso, leve água e uns lanches, como barrinhas de cereal, salgadinhos.
  • Não há sombra em praticamente nenhum lugar. Fomos em fevereiro e não estava calor, mas ainda assim levamos uma queimada do sol. Capriche no protetor solar.
  • Os ambulantes tem lembranças bonitinhas do lugar. Mas pechinche, eles colocam o preço lá no alto e vão baixando. Em compensação, passei por um rapaz vendendo pulseiras e colares que ele disse que fez na escola de artesanato. Eram peças lindas e ele pedia 100 pesos (R$15) , achei que acharia com outras pessoas vendendo e não vi mais. Se gostou de algo, já garanta.
  • Tem lojinhas de souvenirs e banheiros nos portões de entrada e saída somente.

O Viajapinha é parceiro do Booking, por isso, ao fazer a reserva da sua hospedagem por um de nossos links, você me ajuda a manter o blog, pois ganhamos uma pequena comissão, e você não paga a mais por isso:

booking

Você também pode gostar de

12 comentários em “Pirâmides de Teotihuacan – Como fazer esse bate-volta da Cidade do México

    1. Oi Lívia, tudo bem? Eu não me lembro bem, mas acho que na entrada tinham pessoas se oferecendo sim. Também vi várias pessoas acompanhadas de guias lá dentro, que acredito terem contratados na porta. Nós só compramos um livrinho nas lojinhas da entrada, rs.
      Boa viagem! Beijos 😉

  1. Olá, adorei as dicas! Gostaria de saber se compraram as passagens para a pirâmide no mesmo dia, ou precisaram ir ao terminal com antecedência.

    Grata!

    1. Oi Gabriella, tudo bem? Nós compramos na hora mesmo. Não lembro com certeza, mas acho que a cada meia hora tinha um ônibus, por isso não nos preocupamos. 🙂
      Boa viagem! Abraços

  2. Muito legal suas dicas! Eu e meu namorado iremos ficar 12 horas em conexão na cidade do México. Gostaríamos de ir as pirâmides. Qual seria a opção de melhor custo beneficio para ganharmos tempo? Fica táxis nas pirâmides? Para a volta? Sabe se tem algum outlet no caminho?

    Obrigada

    1. Oi Mayara, tudo bem?
      Que bom que gostou das dicas!
      As pirâmides são bem longe do Centro da cidade, mas a parte boa é que o aeroporto é bem no meio do caminho. Realmente com poucas horas, indo de ônibus vocês perderiam muito tempo. Eu sugiro que vocês tentem uber. Tem um sinal de Wifi do uber no aeroporto e a ida e volta das pirâmides não devem sair mais do que 500 pesos (uns R$ 80). Minha preocupação era chamar outro uber na volta, mas vocês podem conversar com o motorista e ver se ele não espera vocês. Fizemos isso em um dos passeios, para as Trajineras e ele nos esperou, só aumentou o valor da corrida.
      Táxi só recomendo em último caso, as duas vezes que usamos lá, nos deram golpe. Uma vez trocaram nossa nota por outra dizendo que estava rasgada e nos devolveram uma nota descaradamente falsa. Além de disso, o taxímetro estava alterado. Na outra cobraram um valor muito acima do que deveriam. Por isso, se precisar, já deixe o preço negociado e tente não pagar em uma só nota alta. É bom vocês trocarem um pouco de dinheiro, pois os ambulantes e barraquinhas das pirâmides não aceitam cartão. No aeroporto tem várias casas de câmbio, trocamos nosso dinheiro lá (do dólar, acho que não aceitam reais). Também tem caixa eletrônico. 🙂
      Também não deixe muito em cima da hora pra voltar pro aeroporto, como não é perto, pode ser que vocês peguem um pouco de trânsito.
      Quanto ao outlet, não vi nenhum no caminho, não sei te dizer se tem. 🙁
      Depois vem me contar o que achou. Boa viagem! Aproveitem! Bjs

Deixe uma resposta