Search here...
TOP
Brasil Florianópolis Santa Catarina

Como é a Trilha da Lagoinha do Leste em Florianópolis

Recentemente fiz uma Trilha que eu queria há tempos, mas faltava coragem, porque diziam que era uma das mais difíceis de Florianópolis, a Trilha da Lagoinha do Leste e do Morro da Coroa. Nesse post vou contar tudo sobre a nossa experiência.

[Confira aqui: O que fazer em Florianópolis no inverno, melhores cafés em Florianópolis, Lagoa do Peri, trilha da praia de Naufragados]

Como chegar na praia da Lagoinha do Leste

Para chegar na praia da Lagoinha do Leste há duas opções de trilha, uma pela praia do Matadeiro, que leva entre 2h e 3h (chega lá pela praia da Armação) e pelo Pântano do Sul, que foi a que eu fiz e vou contar aqui.

Coloque no seu Google Maps ou Waze a rua Manoel Pedro de Oliveira. Do centro leva cerca de 45 minutos em um dia sem trânsito. É nessa rua que começa a trilha, mas você vai precisar estacionar na rua da frente. Essa rua é um morro íngreme, mas curto e tem placas sinalizando a entrada da trilha.

O estacionamento custa R$ 1o a diária, mas acredito que na temporada possa ser mais caro. Uma opção é voltar de barco, então pergunte também se terá nesse dia. Quando fomos eles avisaram que como o mar estava mexido, teríamos que fazer o caminho de volta pela trilha. Eu não tenho certeza, mas acho que o barco custa entre R$ 15 e R$ 30 dependendo da época do ano.

A trilha pelo Pântano do Sul leva cerca de 1 hora, mas depende do seu preparo físico. Tem uma estrutura boa, com a subida em escada na maior parte, mas ainda assim, cansativa.

Pela trilha. Essa primeira e mais fechada e não esquenta tanto.

A praia é linda e fora da temporada de verão, paradisíaca. Lá tem uma barraquinha que vende água, refrigerante e água de côco, mas mesmo assim, leve a sua. Também não esqueça de trazer todo o seu lixo contigo.

Chegando na praia da Lagoinha do Leste

Trilha do Morro da Coroa

Em seguida, subimos para a segunda parte do passeio, a trilha para o Morro da Coroa. Esse sim, tem uma das vistas mais bonitas que eu já vi na vida. Mas tem o seu preço, foi também a trilha mais difícil que já fiz. É quase uma escalada, sem nenhuma sombra. Pensei em desistir algumas vezes, achei que ia passar mal, mas no final, a vista compensou.

Essa vista e essa foto sem nenhuma edição <3

Essa foi a única pedra que eu tive coragem de ir, haha

Mas a subida é assim, quase uma escalada

Tinham nos indicado uma trilha alternativa para volta, descendo pelo outro lado do Morro e saindo na metade da outra trilha do Pântano do Sul. Mas ela não é sinalizada e nem marcada, então ficamos com medo e decidimos voltar pelo mesmo caminho. Faça isso também pra não arriscar se perder.

Tiramos muitas fotos, apreciamos a maravilhosidade da natureza e descemos. A descida pode ser bem complicada também, já que a terra escorrega e por ser íngreme, força o joelho. Mas eu, que sou relativamente sedentária dei conta, então vai devagar que dá tudo certo. 🙂

Descendo

Quando fazer a trilha do Morro da Coroa

Nós fomos no mês de abril, quando já não estava amais tão calor em um dia daqueles sem nenhuma nuvem no céu. Foi perfeito! Mas me pergunto (e não recomendo), que essa trilha seja feita alto do verão, já que além de ser mais pesada, não tem nenhum tipo de sombra durante todo o caminho. Se puder, aproveite o outono e a primavera.

O que levar para a trilha

Assim como toda trilha, vá com roupas confortáveis e tênis. Eu fui de short e biquíni pra poder pegar dar um mergulho no caminho.

Leve repelente, protetor solar, um lanchinho e MUITA ÁGUA (mas que pode pesar. Eu levei duas garrafinhas e precisei comprar mais duas na praia da Lagoinha depois de descer o Morro da Coroa, mas não sei dizer se a barraquinha fica aberta o ano todo).

A única barraquinha que tem lá e uma ideia dos preços: água R$5, refri R$ 10, Heineken R$ 13 e água de côco R$ 15.

Quanto tempo durou o passeio todo

Entre o Centro e o Pântano do Sul foi cerca de 50 minutos, mais 1 hora de trilha até a praia, mais cerca de 40 minutos – 1 hora até o topo do Morro da Coroa. Ficamos uma horinha lá em cima, mais 1 hora na praia e 1 hora para voltar. Chegamos em casa quase 17h, parando pra comer um pastel na saída da trilha.

Recomendo demais esse passeio, mas vá preparada! Deixei esse vídeo mostrando um pouco mais do nosso passeio:

Segue o viajapinha também no Instagram. 🙂

Se você está vindo como turista para Florianópolis, saiba que a cidade não é fácil de se locomover se você não estiver de carro. Por isso, recomendo alugar e recomendo no nosso parceiro Rent Cars. 🙂

O Viajapinha é afiliado do Booking, por isso, ao fazer a reserva da sua hospedagem por um de nossos links, você me ajuda a manter o blog, pois ganhamos uma pequena comissão, e você não paga a mais por isso.

«

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *