Search here...
TOP
Brasil Chapada dos Veadeiros Goiás

Chapada dos Veadeiros – Mirante da Janela

Continuando os posts sobre a Chapada dos Veadeiros, no nosso segundo dia fizemos a trilha do Mirante da Janela, que fica em São Jorge, cerca de 30 minutos de Alto Paraíso de Goiás.

[Confira aqui o post com o que você precisa saber antes de ir para a Chapada dos Veadeiros e o post sobre nosso primeiro dia, na Cachoeira Santa Bárbara]

Para esse segundo dia, o nosso guia Luan não pode nos acompanhar e indicou a mãe dele, a Leide, que foi maravilhosa também e indico muito!

Nós acordamos cedo, saímos de Alto Paraíso às 7h30 e chegamos em São Jorge pouco depois da 8h. São Jorge fica a cerca de 30 minutos de Alto Paraíso de estrada asfaltada. Ao contrário de Santa Barbara, essa trilha começa pertinho, não pegamos quase nada de estrada de chão.

Antes de começar tem um quiosque vendendo água e comidas, mas não sei se fica o tempo todo aberto (ela fechou logo depois que passamos). O banheiro estava em reforma, então não pudemos usar.

[Já tem onde ficar? Reserve sua estadia na Chapada dos Veadeiros aqui.]

Dica importante: passe muito protetor solar, a maior parte da trilha é sem sombra e também leve bastante água. Eu levei só uma garrafinha e foi muito pouco, acabei enchendo na cachoeira mesmo, haha.

Essa trilha tem pouco mais de 4km entre ida e volta e entramos depois das 8h30 da manhã e o dia começou lindo, super ensolarado. Já no comecinho encontramos uma Seriema, ave típica do cerrado e que eu nunca tinha visto.

A seriema <3
A paisagem linda do Cerrado.

O início da trilha é uma descida de leve (que na volta vira subida, haha). Depois dessa descida, que deve ter uns 500m, você chega em uma casinha de um senhorzinho muito simpático. Lá para ele você paga a entrada do parque, de R$ 15 por pessoa. Ali também tem banheiro.

Depois dessa parada rápida, continuamos o trajeto que no início é plano tem uma paisagem lindaaa e eu estava achando tudo uma delícia!

Aí, depois de talvez 1km, você chega na Cachoeira do Abismo. Esse dia que fomos não tinha ninguém lá nesse horário, estava um dia lindo e tomei o melhor banho de cachoeira da vida. Olha essa paisagem nas fotos. A água não estava gelada e de lá tem uma vista pro abismo mesmo. Por não ter pessoas e pela sensação de tranquilidade, fez com que eu gostasse mais dessa Cachoeira do que a de Santa Barbara até. Por isso que no post anterior indiquei que quem vai em época muito movimentadas, como um feriadão, priorize outros lugares.

Depois do banho, tomamos um solzinho na beirada da Cachoeira, fizemos nosso lanchinho e partimos pra segunda parte da trilha, aí sim começou a parte pesada, haha.

Primeiro é uma descida bem íngreme (que de novo, na volta vai ser uma subida, haha), aí tem uma partezinha plana e depois recomeça uma subida pior, eu mal consegui tirar as fotos porque precisava ir me apoiando.

A notícia boa é que essa subida pior dura cerca de 15 minutos e então chegamos em uma vista que faz valer todo o esforço, o Mirante da Janela <3

A segunda subida difícil. Mas vai que dá!

A vista é toda pro Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros e as Cachoeiras que aparecem ao fundo são as dos Saltos: Salto 120 e Salto 80 (que são as alturas das quedas). Infelizmente não tivemos tempo de ir ver essas de perto, mais uma que ficou pra próxima visita.

O Mirante da Janela! Foi sofrido mas valeu demais!

Um pouco mais pra frente do Mirante tem outra vista, mas estão construindo um mirante mais alto, que parece uma arquibancada (e não entendi a utilidade) que achei que está estragando a paisagem.

Depois de admirar muito e tirar muitas fotos, começamos o caminho de volta. A primeira parte que era descida foi mais fácil, mas quando chegamos na subida perto da Cachoeira do Abismo foi mais pesada. Nessa hora começou a garoar e apertamos o passo porque as chuvas lá caíam forte e de repente (cuidado com as trombas d’água nas cachoeiras!).

Quando já estávamos na parte plana a chuva ficou forte, mas lá foi tranquilo caminhar. Por causa da chuva, vários trechos que estavam secos na ida, formaram um córrego na volta.

Na guarita onde pagamos na ida, o senhor que mora lá tinha melancias cortadas pra oferecer pras pessoas, querido! <3

Chegamos de volta e o sol já tinha aberto de novo pro nosso lado, mas chovia ao redor, por isso não conseguimos ir ao Vale da Lua nesse dia também, porque lá se chove eles fecham a entrada por causa das trombas d’água. Fomos almoçar em São Jorge, no restaurante da Nezinha, que é um buffet com preço bom e comida gostosa. Depois do almoço passeamos um pouco pelas lojinhas de São Jorge e compramos algumas lembrancinhas.

Em São Jorge, no restauante dsa Nezinha, onde almoçamos.

No caminho de volta pra Alto Paraíso de Goiás, na margem à esquerda da rodovia GO-239 fica o Jardim de Maytrea, um dos cartões postais da Chapada dos Veadeiros. Fica no Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros, mas o acesso ao local não é permitido, pois é área de proteção ambiental. A placa é bem discreta, por isso fique atento/a. É preciso parar o carro no acostamento mesmo pra tirar as fotos.

No final de tarde fica ainda mais lindo com os buritis centenários ao fundo.
Sem deixar de lado todo o misticismo que tem na Chapada, li que algumas pessoas acreditam que o Jardim de Maytrea é um portal místico para outra dimensão. 

Voltamos pra pousada, tomamos banho, e fomos jantar. Nessa noite fomos em um crepe que fica na rua principal, mas eu esqueci o nome, mas não é difícil de achar. Cada crepe custava R$ 25 e era enorme.

E assim acabou esse dia lindo que foi nosso segundo dia lá. O próximo post, do nosso terceiro dia é na Catarata dos Couros!

E teve vídeo, na minha tentativa frustrada de ser YouTube, haha:

Já reservou o hotel da sua próxima viagem? Nosso blog é afiliado do Booking e reservando por aqui, ganhamos uma pequena comissão e você não paga a mais por isso. 

Caso precise de carro para a sua viagem, recomendo o RentCars, que também somos afiliados. (Usei o serviço deles na viagem pra Orlando, quando ainda não era afiliada, por isso recomendo).

«

»

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *